24º PARADA DO ORGULHO LGBT DE SÃO PAULO ACONTECEU PELA INTERNET

A 24º Parada do Orgulho LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros) de São Paulo aconteceu este ano via internet. O evento aconteceu no último domingo (14) e teve direito a projeção de luz na Avenida Paulista, palestras e apresentações online, com uma programação virtual que aconteceu das 14h até as 22 horas.

Este ano o tema da edição foi “solidariedade” e contou com a arrecadação de doações para o projeto Rede Parada Pela Solidariedade, que ajuda a população LGBT que vive em situação de vulnerabilidade. E seguindo o exemplo de 2019, a transmissão online do evento apresentou um tom mais político, anunciando também o tema democracia.

O cancelamento do evento foi divulgado em março, pela diretoria da Associação da Parada do Orgulho LGBT, a decisão foi tomada para evitar aglomeração de pessoas, já que há inclusive uma grande quantidade de estrangeiros que visitam o país nesta época do ano para participar do evento.

Este foi o primeiro ano que a maior manifestação do gênero no mundo precisou ser cancelada, devido à pandemia do novo Coronavírus. A saída foi levar a Parada LGBT que acontece sempre na avenida mais famosa de São Paulo para o Youtube. Diversos canais, incluindo o do Youtube Brasil e do Dia Estúdio exibiram diversas atrações, somente no canal Dia Estúdio o público chegou a mais de 30 mil pessoas.

O evento começou com o discurso da presidente da APOGLBT (Associação da Parada do Orgulho GLBT), Claudia Garcia. “Estamos ocupando esse espaço de expressão virtual. Você que está aí, está participando da parada agora, estamos fazendo valer a nossa voz. O nosso tema esse ano é democracia, exatamente por causa de tudo que está acontecendo. Imaginem que vocês estão na Avenida Paulista, vamos gritar por democracia, contra a homofobia, contra o racismo”, disse a presidente.

A apresentação da Parada ficou por conta de Fih e Edu, da página Diva Depressão, e contou ainda com a participação especial de Lorelay Fox, Nátaly Neri e Spartakus Santiago. Outros influenciadores e militantes da causa também marcaram presença no evento, que também teve shows das artistas Ellen Oléria, Daniela Mercury e Gloria Groove.

Artistas internacionais também apareceram na Parada virtual, por meio de depoimentos e entrevistas gravadas, como as cantoras Katy Perry e Mel C, do grupo Spice Girls, que deu uma entrevista para a apresentadora Lorelay Fox. Durante a entrevista, Mel C falou sobre a importância de dar suporte aos jovens e visibilidade à comunidade LGBT. “Me faz ser muito grata, sentir mais auto aceitação. A força que encontrei nas pessoas me fez mais forte”, disse. Ela deixou ainda um recado ao público brasileiro: “Se cuidem. Vamos todos ficar pensando na festa que faremos quando tudo isso acabar. E vamos nos apoiar nesse momento”, finalizou Mel C.

Foram transmitidos ainda durante a live, diversos debates e mensagens de apoio ao movimento, artistas como Pablo Vittar, Ivete Sangalo, Luisa Sonza, Day Lins e Dana Paolla deixaram suas mensagens. Além de toda a programação virtual, a Avenida Paulista recebeu uma projeção de luz e os prédios de museus e teatros da capital paulista receberam decoração especial com a bandeira do arco-íris, símbolo do orgulho LGBT.

No ano passado, a Parada LGBT de São Paulo reuniu cerca de 3 milhões de pessoas, 651 mil turistas e movimentou R$403 milhões na economia. De acordo com o levantamento feito pela Secretaria Municipal de Turismo da cidade, a Parada de 2019 teve um aumento de 78% no número de visitantes, em relação ao ano de 2017, quando foi o último ano de estudo.

Realizada desde 1997, a Parada do Orgulho LGBT de São Paulo que precisou ser comemorada desta vez virtualmente ainda tem a previsão de que aconteça presencialmente na Avenida Paulista, como todos os anos, em novembro.