Vazou nas redes sociais a gravação da conversa entre a tenente-coronel Márcia Cristina Cristal Gomes e o policial militar que apreendeu o carro da vereadora Professora Daniela (PL).  Na ligação gravada, a comandante do 9º Batalhão da Polícia Militar do Interior (BPM/I), localizado em Marília, estava repreendendo o policial pela ação realizada por ele.

Em um trecho da conversa, a tenente-coronel diz ao policial “ela é vereadora, quem você pensa que é?”, Cristal também teria avisado durante a ligação que o militar seria afastado de seu posto na Companhia de Trânsito.

Durante a conversa, a comandante do 9º BPM/I ainda diz “quem trabalha no trânsito tem que ter jogo de cintura e bom senso. (…) Olha o que você está causando, porque, politicamente, ela é vereadora. Não teve nenhuma conversa. Quem você está achando que é? Você vai pagar o guincho? Você não tem condições de trabalhar no trânsito”, repreende Cristal.

Ouça o áudio completo da ligação

Entenda o caso

No último domingo (16), a filha da vereadora Professora Daniela, foi abordada por volta da 0h30 da madrugada, durante uma blitz de trânsito, na Rua Carlos Botelho, no bairro Maria Izabel, em Marília. Segundo o Policial Militar, o veículo estaria com os pneus carecas e o licenciamento vencido.

Após a constatação da suposta irregularidade, a motorista teria sido orientada pelo policial de que seria possível fazer o pagamento do licenciamento vencido por meio de aplicativo, a fim de evitar a apreensão do automóvel. Então, para “evitar” o problema, a filha da vereadora teria ligado para familiares, resultando na intervenção da mãe parlamentar.

Ainda durante a madrugada, a reclamação contra a abordagem do policial chegou até a tenente-coronel Márcia Cristina Cristal Gomes, que teria ligado para a equipe responsável pela apreensão, na tentativa de intervir. Após saber que o veículo já havia sido apreendido, ela repreendeu o Policial responsável pela patrulha.

Portanto, como resultado, o Policial Militar foi transferido da Companhia de Trânsito, onde atuava, para realizar outras funções de policiamento. Apesar de agir de acordo com o Código de Trânsito Brasileiro, que permite a remoção do carro quando não há a possibilidade da irregularidade ser solucionada no local.

Por fim, leia mais em O Mariliense

Compartilhe a leitura