Apesar do grande investimento  em água, Daniel pede economia

Por décadas, Marília ficou conhecida como cidade das torneiras secas. Pois esse problema histórico foi encarado com tamanha quantidade de obras e serviços no atual governo, que o prefeito Daniel Alonso (PSDB) afirma categoricamente que “nunca Marília investiu tanto em abastecimento”. De constantes, as queixas por falta d’água passaram a ser apenas pontuais, em determinadas regiões da cidade, o que Daniel acredita que poderá resolver ainda dentro desse mandato.

“Perfuramos nove poços, sendo dois deles profundos, construímos mais dois grandes reservatórios e fizemos interligações de rede para enfrentar a falta d’água. Ainda exigimos poços em todos os empreendimentos particulares, com capacidade para o dobro do consumo previsto em cada um deles. Evidente que em quatro anos não é possível resolver problemas históricos deixados pelos ex-prefeitos por 40 anos, mas avançamos muito”, resumiu Daniel, que esta semana visitou obras de mais um poço nos residenciais Maracá/Montana. “Serão mais 200 mil litros de água, suficientes para o abastecimento local e com sobra para reforçar o reservatório do Santa Antonieta”, explicou.

Equilibrar a oferta de água nos bairros da Zona Norte é o desafio do momento – ainda mais agora, que o Estado enfrenta a maior onda de calor e de estiagem dos últimos 40 anos, que o consumo de água aumentou 40% com a pandemia (as pessoas ficam mais em casa e se higienizam mais) e que caíram os níveis de água nos lençóis freáticos. “E não vamos esquecer que a Zona Norte ainda sente o impacto da corrupção na obra abandonada do Ribeirão dos Índios, que consumiu R$ 11 milhões à época, valor que, corrigido, hoje passa dos R$ 30 milhões. Esse dinheiro e aquela água estão fazendo falta!” – lembrou Daniel.

O prefeito apela à população. “Enquanto muitas cidades estão racionando água e multando a população que desperdiça, aqui pedimos a compreensão dos marilienses para passarmos esse momento mais crítico”, disse Daniel. “Vamos economizar, pensar nas pessoas mais humildes que não dispõem de caixa d’água em casa, evitar qualquer tipo de desperdício. Do mesmo jeito que enfrentamos tantos outros desafios em Marília, vamos vencer mais este com a ajuda da nossa população”, concluiu o prefeito.

 

Por fim leia mais O Mariliense

Fonte: Assessoria de Imprensa