Colaboradores da Entrevias arrecadam quase meia tonelada de alimentos

Com a adesão de colaboradores de todas as áreas de atuação, a Entrevias Concessionária de Rodovias arrecadou 459 quilos de alimentos não perecíveis para entidades das regiões de Marília e Ribeirão Preto. Foi a campanha social Entrevias Solidária, realizada de 11 de agosto a 15 de setembro.  

As doações vão para instituições sociais de oito cidades lindeiras às praças de pedágio – Marília, Pongaí, Echaporã, Florínea, Sertãozinho, Pitangueiras, Ituverava e Sales Oliveira.  

A iniciativa, que partiu de um agente de pedágio de Echaporã, foi prontamente aceita pela direção da Entrevias porque fortalece a cultura organizacional da empresa. Além disso, corrobora com a responsabilidade social da Concessionária aplicada aos municípios e moradores lindeiros às rodovias que administra. 

Foram arrecadados mais de 300 itens de diferentes tipos de alimentos não perecíveis, como sal, farinha, café, arroz e açúcar, além de produtos de limpeza. Alguns grupos de funcionários também se organizaram e doaram cestas básicas fechadas. O engajamento dos cerca de 650 colaboradores foi estimulado através de campanhas internas de endomarketing. Para viabilizar a doação, foram direcionadas caixas coletoras a todas as oito praças de pedágio, fábrica de placas, além da sede da Entrevias, em Sertãozinho, e do escritório de Marília.  

As doações estão sendo entregues durante esta semana (de 28 de setembro a 2 de outubro). Um agente da praça de pedágio do município onde está a entidade contemplada acompanha a entrega dos produtos.  

No trecho Norte da concessão, foram escolhidas a APAE de Ituverava; a Casa do Vovô Salense, em Sales Oliveira; o Asilo São Vicente de Paulo (Casa Pia) em Sertãozinho e a Associação Assistencial Miguel Arcanjo da Silva (CAEMA) em Pitangueiras. No trecho Sul, as instituições são o Centro Comunitário São Judas Tadeu, em Marília, e os fundos sociais de Pongaí, de Florínea e de Echaporã. 

A escolha das instituições, sendo algumas focadas em crianças e adolescentes, e outras em idosos, levou em conta o histórico do trabalho realizado por cada uma. Também contou a tradição dessas entidades nas suas cidades, além da necessidade real de ajuda que ficou ainda maior em meio a uma pandemia. Em alguns municípios, as doações foram direcionadas aos fundos sociais, que têm condições de fazer o repasse aos mais necessitados. 

 

Por fim, leia mais O Mariliense

Fonte: Agencia Brasil