Coletores pedem colaboração da população para evitar acidentes

Os coletores de lixo de Marília estão pedindo bom senso à população mariliense, principalmente aos comerciantes relacionados aos bares, restaurantes e similares que, após o término do expediente, embalam o lixo para coleta, mas colocam uma quantidade acima do limite suportável para os servidores coletarem.

Em muitos casos, principalmente em restaurantes, casas de sucos e lanchonetes, mesmo em dois profissionais, há dificuldades para levantar os sacos de lixo e conduzi-los até o caminhão de coleta.

O secretário municipal do Meio Ambiente e de Limpeza Pública, Vanderlei Dolce, orienta pela divisão do peso em cargas menores, evitando lesões aos profissionais da área.

“Nossos coletores são motivo de orgulho em nossa cidade. É uma categoria que tem unanimidade em meio à população, quando falamos sobre profissionalismo e dedicação. Infelizmente, com a Covid, perdemos parte dos servidores que desempenham tarefas essenciais e o setor de coleta também foi afetado. Mesmo assim, os trabalhos seguem normalmente, com excelência na qualidade dos serviços prestados, demonstrando o profissionalismo das equipes em manter nossa cidade limpa. Infelizmente, alguns estabelecimentos não se atentam a este detalhe fundamental quanto à integridade física destes profissionais e colocam uma carga elevada em um único saco, forçando a estrutura física destes trabalhadores, que sofrem lesões, e necessitam de cuidados médicos. O que pedimos é empatia, não só neste caso, mas em qualquer situação. Devemos nos colocar no lugar do próximo e analisar a situação como se nós estivéssemos do outro lado”, disse o secretário.

Vanderlei Dolce dá exemplos de como os responsáveis pelos estabelecimentos deveriam agir. “O saco de lixo está pesado demais? Os vidros podem causar acidentes? Raciocínios assim podem evitar graves lesões e ferimentos, e permitir que estes pais de família realizem seus serviços com tranquilidade, sem comprometer sua integridade física. Não é porque o saco de lixo tem capacidade para 100 litros, que devemos enchê-los em sua capacidade máxima com os materiais mais pesados, como bagaços de frutas e restos de alimentos, por exemplo. Deixem os sacos maiores para os materiais leves, como papéis e plásticos e entreguem nos ecopontos para coleta seletiva, distribuídos em vários locais da cidade, e dividam o lixo orgânico em sacos menores.”

O secretário acrescenta: “Uma simples atitude colaborará para o bom andamento nos serviços prestados, sem causar danos aos trabalhadores que nos servem de maneira exemplar, sob chuva, sol, frio ou calor. São seres humanos que realizam estes serviços e devemos sempre nos lembrar disso. Nossos servidores realizam a coleta em diversos estabelecimentos durante o turno e isso agrava ainda mais o problema, uma vez que durante horas precisam fazer esforços para deixar a cidade limpa”.

O serviço de coleta de lixo é realizado rotineiramente na cidade, servindo todas as famílias sob as mais diversas intempéries climáticas, e é realizado por uma das categorias mais queridas, pelo empenho, dedicação e alegria com que trabalham.

 

Por fim, leia mais O Mariliense