Campanha de educação ambiental para combater queimadas no município é iniciada

O Poder Público em parceria com a Polícia Militar Ambiental, Corpo de Bombeiros e Defesa Civil, iniciou forte campanha de educação ambiental sobre os perigos e consequências ocasionados pela prática das queimadas.

Na ocasião, diversas faixas foram instaladas em pontos estratégicos do município, de grande fluxo, visando chamar a atenção quanto ao problema das queimadas, agravados nesta época do ano.

A ação visa conscientizar à população sobre os danos provocados pelas queimadas, que causam desequilíbrio ambiental e agrava as doenças respiratórias, principalmente em crianças e idosos.

O educador ambiental do município, Wilson Hakamada, explica as consequências deste ato impensado, que tem causado graves problemas ambientais e problemas respiratórios na cidade.

“Algumas pessoas ainda têm o péssimo hábito de varrer calçadas e atear fogo nas folhas amontoadas. Essa prática é proibida, assim como atear fogo em terrenos, madeiras, restos de lixo, móveis velhos, resto de podas de jardins e galhos de árvores. Outro problema que tem ocasionado grandes incêndios na vegetação em Marília são as bitucas de cigarro lançadas pelos usuários em áreas verdes e áreas de preservação permanente. Essa atitude tem causado consequências incalculáveis no espaço atingido pelas chamas, provocando não só a perda da massa verde, mas impactando negativamente em todo ecossistema local, onde a fauna é queimada viva, ou perde seu habitat natural, que serve como local de procriação e alimentação das espécies. A queima da vegetação ainda reduz consideravelmente a qualidade do ar, causando graves problemas respiratórios, principalmente em crianças e idosos. Infelizmente, estas queimadas provocadas na cidade também têm atingido áreas de preservação permanente, destruindo a mata ciliar das nascentes, expondo-as a riscos de erosão, e consequente assoreamento e morte dos olhos d’água”, afirmou o educador ambiental.

O 1º Tenente da 4ª Companhia da Polícia Militar Ambiental, Cleber Rodrigues Ventrone, destaca a importância das ações de educação ambiental promovidas no município e orienta a população sobre os procedimentos em situações de extremas.

“Estamos repassando à população as orientações recebidas durante o treinamento que tivemos através da Operação Corta-Fogo, que tem como estratégias de ação prevenir, monitorar, controlar e combater os focos das queimadas. Com o período de estiagem, o período mais seco do ano, que engloba principalmente os meses de junho, julho e agosto, as ações de educação ambiental sobre o tema são de extrema importância e devem ser amplamente propagadas, onde tentamos orientar à população sobre os perigos ocasionados pela prática de queimadas e suas consequências. Ao avistar fumaça suspeita ou foco de incêndio em mata, avise imediatamente o Corpo de Bombeiros, através do telefone 193, ou contate a Defesa Civil do município. Ao contatar os órgãos de emergência, mantenha a calma e informe a localização precisa da ocorrência, os pontos de referência e dicas de como chegar ao local. Se possível, forneça as coordenadas geográficas do incêndio, em áreas mais afastadas. Responda com calma às perguntas do atendente. Deixe seus contatos, caso seja necessário obter mais informações sobre a ocorrência. Esclarecemos que provocar queimadas é crime, passível de penalidades previstas nas legislações ambientais vigentes”, disse o tenente.

 

Por fim, leia mais O Mariliense