Brasil conquista ouro, prata e bronze em mais um dia de Paralimpíada

O Brasil iniciou esta sexta-feira (27) com três medalhas na Paralimpíada de Tóquio (Japão). Disputando pela primeira vez os Jogos Paralímpicos, o brasiliense Wendell Belarmino se tornou o campeão na prova de 50 metros livre masculino S11 (cegueira), com o tempo de 26s03. As competições da modalidade acontecem no Centro Aquático de Tóquio, na capital japonesa.

Já o paulista Gabriel Bandeira conquistou medalha de prata na prova de 200 metros livre da classe S14 (deficiência intelectual), com o tempo de 1min52s74. Esta é a segunda medalha de Bill nesta atual edição dos Jogos, pois ele já havia levado ouro na prova de 100 m borboleta da classe S14 (deficiência intelectual).

A primeira medalha individual no feminino na Paralimpíada veio com a pernambucana Maria Carolina Santiago na prova  dos 10 0m costas da classe S12 (baixa visão). Ela faturou o bronze com o tempo de 1min09s18.

Daniel Dias fora do pódio

A prova de 50 m borboleta da classe S5 (deficiência físico-motora) foi a primeira que o multicampeão Daniel Dias não subiu ao pódio em Tóquio 2020. Ele terminou a disputa na sexta colocação, com tempo de 36s56. O paulista já garantiu dois bronzes em provas individuais: nos 100 metros livre da classe S5 (deficiência físico-motora) e nos 200 metros livre na classe S5 (deficiência físico-motora). Além disso, ele também disputou o revezamento 4×50 metros livre 20 pontos e ficou em terceiro lugar. Daniel Dias, de 33 anos, tem 27 medalhas na história das Paralimpíadas.

Silvânia Costa é ouro no salto em distância

Silvânia Costa confirmou o favoritismo e conquistou a medalha de ouro da prova do salto em distância, classe T11 (de pessoas com deficiência visual), na Paralimpíada de Tóquio (Japão), na noite dessa quinta-feira (26) no Estádio Olímpico.

A mineira, que também foi ouro na prova em 2016 (Rio de Janeiro), venceu ao alcançar 5 metros (m), a sua melhor marca na temporada. A prata ficou com a uzbeque Asila Mirzayorova (4,91 m) e o bronze com a ucraniana Yuliia Pavlenko (4,86 m). A outra brasileira na disputa, Lorena Spoladore, terminou na quarta posição ao saltar 4,77 m.

Silvânia começou a disputa queimando as duas primeiras oportunidades. Na terceira ela saltou 4,76 m, na quarta 4, 69 m e na quinta, finalmente, veio a marca de 5 m. Na sexta ela saltou 4,84.

Yeltsin Jacques é ouro nos 5000 m da classe T11

Em uma prova emocionante, o brasileiro Yeltsin Jacques conquistou a medalha de ouro na prova dos 5000 metros (m) da classe T11 (de pessoas com deficiência visual) na Paralimpíada de Tóquio (Japão), na noite desta quinta-feira (26) no Estádio Olímpico.

O atleta que nasceu em Campo Grande (Mato Grosso do Sul) terminou a prova com o tempo de 15min13s62. O pódio foi completado por dois japoneses, Kenya Karasawa, que foi prata com o tempo de 15min18s12, e Shynia Wada, bronze com 15min21s03.

O primeiro ouro do Brasil no atletismo em Tóquio veio em uma prova repleta de emoção. Na entrada da última volta, Karasawa ultrapassou o brasileiro de forma surpreendente, dando a impressão de que não seria mais alcançado. Com passadas mais lentas que o japonês, Yeltsin parecia cansado para se recuperar a tempo.

Porém, o atleta de Campo Grande voltou a aumentar a velocidade no sprint final e deu o troco em Karasawa nos últimos metros. O brasileiro cruzou em primeiro com folga, em uma prova histórica para o atletismo paralímpico brasileiro.

Seleção feminina arranca empate com Japão no goalball

A seleção feminina de goalball arrancou um empate de 4 a 4 com o Japão na Paralimpíada de Tóquio (Japão), no Centro de Convenções Makuhari Messe na noite dessa quinta-feira (26) em partida válida pelo Grupo D.

O Japão chegou a abrir uma vantagem de três gols de vantagem logo no início da partida, graças a gols de Yuki Temma e Norika Hagiwara (dois).

Mas, na etapa final, o Brasil marcou 4 gols, com Carol Duarte e Victoria Amorim, duas vezes cada, enquanto Hagiwara fez mais um, fechando o placar em 4 a 4.

Na estreia da competição, o Brasil perdeu de 6 a 4 para os Estados Unidos. O próximo desafio é contra a Turquia.

 

Por fim , leia mais O Mariliense

Fonte: Agencia Brasil

Compartilhe a leitura