Rebeca Silva conquista medalha de ouro no Grand Prix de Judô e Alana Maldonado recebe homenagem

O Grand Prix de Judô Paralímpico, disputado sexta-feira, dia 3, em São Paulo, deu o pontapé inicial no ciclo da modalidade rumo a Paris, palco da próxima edição dos Jogos Paralímpicos, em 2024. Todos os atletas da seleção brasileira que participaram do evento ganharam em suas categorias. O evento foi o primeiro em território nacional desde o início da pandemia.

Os judocas Guilherme de Sousa (-90kg) e Rebeca Silva (+70kg) foram os representantes da AMEI (Associação Mariliense de Esportes Inclusivos) nessa importante competição. Estreante na categoria, Guilherme perdeu suas duas primeiras lutas e acabou não se classificando para as finais.

Já Rebeca deu um verdadeiro show, mesmo sendo uma das atletas mais jovens da competição mostrou muita maturidade para vencer os quatro combates por ippon.

A trajetória até ouro começou com uma vitória contra a Victória Santos de Almeida do CAD. Na segunda luta Rebeca venceu Erika Cheres Zoaga da ARDV, semifinal venceu Dandara Nascimento da Silva e, na grande final, precisou de 22 segundos para mandar Deanne Silva de Almeida para o chão e ficar com a medalha de ouro.

Alana Maldonado, Lúcia Araújo e Meg Emmerich, as três medalhistas do judô paralímpico brasileiro em Tóquio, não lutaram, mas antes do evento começar foram homenageadas pela Confederação Brasileira de Judô (CBJ) com a promoção de suas graduações – todos os judocas que foram ao Japão receberam o certificado das mãos dos senseis Alexandre Garcia e Jaime Bragança.

“Muito grata pela homenagem que a CBJ, a CBDV e o Comitê fizeram aqui para a gente hoje”, disse Alana, primeira mulher brasileira campeã paralímpica de judô.

 

Por fim, leia mais O Mariliense

Compartilhe a leitura