Verstappen vence GP da Espanha após quebra de Leclerc

Max Verstappen venceu o GP da Espanha neste domingo (22), e assume a liderança do campeonato da F1 em 2022.

Uma corrida atípica para um circuito acostumado com poucas ultrapassagens. Já no começo da corrida, Leclerc se lançou a frente de Verstappen e Sainz. O piloto espanhol fez uma péssima largada, dando a Russell e Perez o risco de sonhar com um pódio.

Hamilton que largou em sexto, foi tocado por Magnussen e furou o pneu dianteiro esquerdo, perdendo todo seu foco, parando na penúltima posição, no entanto, mesmo com o pedido de retirada da corrida, a equipe o animou e fez a escolha certa em deixar Hamilton na corrida.

Logo mais a frente Sainz em casa, escapou e perdeu muitas posições, jogando a chance de vitória no lixo.

Mais adiante a corrida teve a troca de coadjuvantes, Russell segurando o ímpeto das Red Bulls em chegar ao lugar mais alto do pódio. Leclerc sobrava e abria muita vantagem sobre Russel, que segurava o Perez e o Max, que também rodou no mesmo ponto que Sainz, tomando um vento sul em seu energético de rodas.

Ninguém acreditava no que estava acontecendo, uma Mercedes segurando duas Red Bulls, que tem carros melhores, no caso, Russel dava aula de direção defensiva na F1.

A corrida mudou quando o motor do P1 Leclerc deixou de funcionar, e Russell assumiu o comando da corrida.

Os chefes da Red Bull, no entanto, resolveram lançar o under cut, e funcionou. Verstappen começou a voar na pista e quando Perez chegou em Russel para a briga, a Mercedes chamou Jorjão para troca de pneus. 

Aí veio a ordem para Perez ceder a posição ao companheiro de equipe, que só teve o trabalho de chegar até a linha de chegada.

Quando achávamos que tudo estava definido, olhamos para a classificação e o Patrão já estava em P7, chegando no Sainz e em Bottas (que está fazendo a Alfa Romeo rir atoa). Ele não só chegou como ultrapassou Sainz com facilidade, demonstrando que o Mercedão está de volta na brincadeira.

Bottas foi superado pelo Hamilton e pelo Sainz, fechando a trinca com Verstappen, Perez, Russell, Hamilton, Sainz e Bottas.

Aí a sorte de campeão não estava tão presentes, pois embora tivesse ganhado 16 posições, Hamilton teve um problema no carro (água no motor) e Sainz colocou sua Ferrari em P4, deixando o patrão administrar até a linha de chegada.

A corrida terminou então desta maneira, Max, Checo, Jorjão, Sainz e Patrão. Decepções a parte pelos lados italianos, Max com certeza se mostrou mais um vez o piloto mais consistente e mereceu a vitória.

A próxima corrida no GP de Mônaco deve nos trazer a real situação se a Mercedes vai voltar mesmo a brigar com a Red Bull Racing e Ferrari, e se isso acontecer, Russel e Hamilton podem entrar de vez na briga pelo título do ano. Ainda que isso aconteça o Super Max e o Leclerc vão continuar amiguinhos até quando? Não sei não, mas daqui pra frente a coisa deverá mudar de figura.

Por fim, leia mais O Mariliense