Criança de 2 anos morre após padrasto bater o carro e dizer à mãe que menina estava apenas dormindo

Um acidente de carro terminou com a morte de uma criança de apenas 2 anos de idade, em Bertioga, no litoral de São Paulo. De acordo com as informações da Polícia Militar, a menina estava passeando de carro com o padrasto, quando o veículo se envolveu na batida.

O homem, identificado como Gian Gabriel Fraga, não possuía CNH e havia acabado de sair da cadeia, ele estava detido por tráfico de drogas. Após o acidente, o rapaz levou a menina desacordada para a casa da mãe da criança e alegou que ‘ela estava apenas dormindo’.

Ao estranhar a situação, a mulher levou a filha para o Hospital Municipal de Bertioga, onde a menina recebeu os primeiros atendimentos, mas depois precisou ser transferida para o Hospital Santo Amaro, em Guarujá. A criança acabou não resistindo e faleceu no último sábado (9). Já o padrasto, fugiu do hospital após ter uma discussão com a mãe da menina.

O suspeito havia sido preso em flagrante por tráfico de drogas, dias antes de acontecer o acidente de carro. Ele havia permanecido na Delegacia de Bertioga à disposição da Justiça e onde foi registrado o boletim de ocorrência, após a apreensão. Mas, no dia seguinte foi realizada a audiência de custódia e após ser ouvido, a juíza expediu o alvará de soltura, determinando a liberdade provisória.

Logo após sair da cadeia, o suspeito pegou o veículo para passear com a enteada, Agatha Rafaella de Mattos, e então acabou se envolvendo no acidente. A menina teve traumatismo craniano. A mãe da criança, Alessandra de Mattos, informou à Polícia Militar que estava no banho quando Gian informou que iria sair com o veículo de um amigo e que levaria a menina. Depois, ele chegou em casa dizendo que teria batido o carro em um poste e que Agatha estava bem e que ela apenas havia pegado no sono.

Alessandra disse ainda à PM que quando viu a filha desacordada, que imediatamente a levou junto com o marido para o Hospital. 

Morte da menina

De acordo com as informações do Hospital, Agatha teria chegado em estado grave na unidade de saúde e após receber o atendimento, ela precisou ser encaminhada para o Hospital Santo Amaro, onde chegou com politraumatismo e em estado gravíssimo. A criança morreu após ficar 12 dias internada.

De acordo com a PM, o suspeito não é considerado foragido, pois já havia sido solto após a audiência de custódia e não houve flagrante do acidente. A mãe da menina realizou um boletim de ocorrência.

A Polícia Civil deve abrir um inquérito policial para solicitar a prisão preventiva de Gian. De acordo com a PM, Agatha estava sem cadeirinha e sem cinto de segurança, dentro do veículo, e que o fato do padrasto não ter acionado o resgate pode ter ajudado a agravar o estado de saúde da criança.

Informações: G1

Por fim, leia mais O Mariliense