71% dos brasileiros acham que as empresas deveriam ter programas de saúde mental

O cuidado com o funcionário não é mais algo que uma empresa possa deixar de lado. De acordo com uma pesquisa da Global Learner Survey, realizada em abril deste ano, para 71% dos brasileiros, as companhias deveriam oferecer serviços de bem-estar e saúde mental aos colaboradores.

O mesmo documento revela que 92% dizem priorizar, na hora de procurar um novo emprego, as empresas que oferecem algum tipo de serviço ou programa voltado a essas questões. Porém, se esse é um dos principais pontos levados em conta pelos profissionais que buscam uma nova oportunidade, a maioria deles – 82% – disse que nas empresas em que trabalham não há nenhum benefício relacionado ao tema.

“Ações mais concretas e diretas em prol dos colaboradores são tão estratégicas quanto pensar em um plano de crescimento para a empresa ou desenvolver um novo serviço. Promover a saúde física, mental e emocional de quem atua dentro da companhia traz diversos benefícios, para ambos os lados”, diz Sandra Cristina Castello, diretora de Marketing e Pessoas da DM, prestadora de serviços financeiros com sede em São José dos Campos.

Em 2019, um estudo realizado pela Universidade da Califórnia identificou que um trabalhador feliz é, em média, 31% mais produtivo, três vezes mais criativo e vende 37% a mais em comparação com outros. “Muitas empresas pensam apenas no lucro. Não olham para a própria gestão, muito menos se preocupam se seus funcionários estão satisfeitos. Ouvir o que cada um tem a dizer é importante para estabelecer uma relação de confiança e melhorar o ambiente corporativo”, acredita Sandra. Implementar programas voltados ao bem-estar nas empresas ainda é um desafio, mas no caso da DM, o tema faz parte da cultura organizacional da Companhia.

Reestruturação

A empresa teve o desafio de estruturar bem os benefícios para conseguir atrair mais profissionais – a DM fica próxima a grandes multinacionais. “Quando queríamos contratar para vagas sênior, tínhamos que buscar em São Paulo, pois em São José dos Campos não conseguíamos igualar os benefícios das grandes empresas e acabávamos perdendo grandes talentos”, explica Sandra.

Foi quando a DM mudou de sede e foi para um escritório maior, com diversos diferenciais, como puffs espalhados pelas salas e local para lazer, passando a ser chamada de “Google de São José”. Mas só mudar o ambiente não era suficiente. Com uma melhor estruturação do RH, novos benefícios também chegaram aos colaboradores.

O tradicional vale-refeição foi trocado pelo cartão Caju – além de pagar o dobro do que o sindicato tem como teto, o valor pode ser usado não apenas para refeições, mas também para cultura, educação e mobilidade. Este último, foi incluído durante a pandemia para que os colaboradores em home office usem para pagar internet ou comprar uma cadeira nova, por exemplo. Foi também nesse período que surgiu a plataforma PAC Optum, para apoio psicológico, financeiro, social e jurídico.

“Muitos colaboradores passaram por fases difíceis, perdendo entes queridos para a Covid. Não podíamos ficar inertes diante dessa situação”, revela Sandra. Já na plataforma ALLYA, é possível encontrar vouchers de desconto para massagens, cinemas, lojas e restaurantes. “Nossa intenção é oferecer um pacote completo que ajude em amplos aspectos, desde dúvidas com pensão para filhos, por exemplo, até um empurrãozinho para melhorar a organização financeira e conquistar sonhos como a compra de um carro”, diz a diretora.

Falando em filhos, a DM oferece auxílio gravidez e auxílio puerpério, para que a gestante possa se preparar para o parto e depois possa passar pelos primeiros meses com o recém-nascido tranquilamente – a licença maternidade é de 6 meses e por enquanto, os pais possuem 15 dias. Há também bolsa para aqueles que queiram cursar um MBA, convênio médico sem taxa, plano odontológico, Gympass, participação nos lucros – que pode chegar a até três salários -, além de ações como ginástica laboral toda semana, voucher em datas como Dia das Mães, sorteio de camisas de times de futebol da região e ingressos para jogos. Para o time de tecnologia, está disponível a plataforma Alura, um ambiente completo para estudar os mais variados temas relacionados à área.

 

Por fim, leia mais O Mariliense