Investimento “na nuvem” deve crescer 20% no Brasil, diz estudo

Guardar tudo na nuvem, desde sites a dados sigilosos, já é algo bastante popular e que movimenta a economia. Dados de um estudo recente divulgado pelo Gartner, por exemplo, diz que os gastos mundiais com armazenamento em nuvem devem atingir 500 bilhões de dólares este ano. No Brasil, a expectativa é de que o investimento nos serviços em nuvem aumente 20% até dezembro.

O resultado é fruto do que promete – e faz – a computação em nuvem: descentralizar as gestões de dados, reduzir custos, otimizar a operacionalização, fornecer boas jornadas aos usuários, para citar algumas performances. Cada vez mais, organizações e empresas apostam na solução como uso e gestão.

A AWS (Amazon Web Service), exemplo de nuvem pública, propõe a discussão do tema. O evento AWS Summit São Paulo tem justamente a programação e armazenamento em nuvem como pauta central. Uma empresa que já utiliza o armazenamento em nuvem é a Estar Digital, startup do Paraná.

“Já usamos 100% o armazenamento na nuvem da AWS e embora já tenhamos muita tecnologia em todo nosso sistema, queremos explorar tudo isso ainda mais”, pontua o representante da Cidatec, Adriano Krzyuy, empresa que administra o serviço de Estar Digital no Paraná,

A plataforma, com mais de seis anos no mercado e presente igualmente em seis cidades do estado, já utiliza, entre outras tecnologias, business intelligence, visão computacional e machine learning. Além disso, a instalação da solução em uma cidade abarca algumas funcionalidades específicas, como Fiscalização via Smartphone para Agentes; Georreferenciamento das Áreas de Estacionamento; Totem de Autoatendimento; Smart Parking; Painel de Indicadores de Desempenho; Integração com Segurança Pública, Bancária e Detran; e Gestão Operacional e Financeira. “Isso é para benefício do usuário, democratizando o trânsito e ajudando na mobilidade dos grandes centros”, assinala.

O armazenamento na nuvem, modelo de computação que elimina a compra de infraestrutura e dá mais agilidade em escala global, combina com o formato da Estar Digital. Inspirada nas dificuldades do trânsito sempre crescente, a plataforma é digital, mas resolve um problema real: a falta de vagas no estacionamento público das cidades. Toda a gestão é remota: da compra de crédito feita pelo usuário ao registro de irregularidade. “A próxima parada é o futuro”.

 

Por fim, leia mais O Mariliense