“Bactéria do ar-condicionado” leva à mortes e infecções na Argentina; Veja como evitá-la

A Argentina confirmou recentemente a causa de quatro falecimentos e 11 infecções por uma pneumonia até então misteriosa. A bactéria Legionella, que pode se espalhar por encanamentos de água doce ou dutos de ar-condicionado, por exemplo, foi identificada como fonte do surto.

O pneumologista Gleison Guimarães lembra que as resoluções de vigilância sanitária não citam a bactéria, o que pode esconder muito mais casos do que os relatados, não apenas na Argentina, como no mundo.

Em meados dos anos 1990, por exemplo, a limpeza dos equipamentos de ar ganhou notoriedade na mídia brasileira, como preocupação com a saúde da população. “Foi em meados de 1998, em rede nacional, horário nobre, no principal programa jornalístico da televisão brasileira, que o então Ministro da Saúde, José Serra, anunciou que iria formar um grupo de estudo para publicar uma legislação que obrigasse os responsáveis por sistemas de ar-condicionado em todo o País a mantê-los limpos para que não fizesse mal à saúde da população brasileira”, relembra o especialista.

Isso porque a infecção pela Legionella pneumophila  pode trazer dificuldade para respirar, falta de ar e dor no peito, entre outros sintomas — daí a necessidade de ser identificada e tratada por um pneumologista ou clínico geral, evitando possíveis complicações. Sinais como esses e outros podem surgir até dez dias após o contato com a bactéria.

Apesar de a contaminação acontecer por diferentes meios, o médico destaca que o aparelho de ar-condicionado sem a devida limpeza e filtros segue sendo um dos maiores potenciais para proliferação e difusão da bactéria. “Tem também a torre de resfriamento do sistema de água de condensação, muito utilizada em prédios comerciais, shopping centers, hospitais e sistemas de médio e grande porte em todo o mundo. Nesse local, o micro-organismo encontra condições favoráveis para seu crescimento e uma grande dispersão de vapor de água pelo processo de evaporação causado nesse equipamento, considerado um trocador de calor”, explica.

Considerando o cenário, as torres de resfriamento devem ficar pelo menos dez metros distantes da captação de ar exterior do sistema de climatização do prédio, conforme NBR 16.401 da ABNT, além de longe da circulação de pessoas.

Quando os cuidados são tomados e os aparelhos que podem ser criadouros de bactérias recebem a manutenção correta, ela não cresce e nem se prolifera. Mas, quando em contato com as pessoas, a Legionella pode causar dois tipos de problemas. O primeiro é benigno e pode ser comparado à gripe, com sintomas leves que desaparecem entre dois e cinco dias e sem tratamento. O segundo é comum entre pessoas com a saúde mais fragilizada e traz uma infecção pulmonar que chega a ser fatal em 15% dos casos.

Apesar de a negligência com o tratamento dos equipamentos que trabalham com circulação de água ser o principal fator para que a bactéria se desenvolva, o setor hoteleiro tem uma história antiga com o problema. O primeiro surto documentado foi em 1976, no Hotel Bellevue Strafford, na Filadélfia. Foi o impulso para que, dez anos depois, fosse iniciada a colaboração internacional de vigilância na Europa, com a formação do European Working Group for Legionella Infections. Em 1987, foi implantada a vigilância europeia de infecções por Legionella em viagens.

De acordo com o pneumologista, “os usos típicos em um hotel que representam risco podem ser bastante variados. Os pontos críticos tradicionais incluem os sistemas de resfriamento (especialmente torres e condensadores evaporativos), fan coils, unidades de tratamento de ar e os chuveiros (tanto os das acomodações quanto dos chuveiros para os colaboradores). Contudo, há outros sistemas, dependendo da complexidade do empreendimento, que também devem ter atenção. São eles duchas para piscinas, spas, jacuzzis, fontes decorativas em lobbies e áreas externas, sistema de irrigação para áreas ajardinadas, entre outros”.

 

Por fim, leia mais O Mariliense