Juliano da Campestre vê políticas de proteção ao trabalhador e incentivo a micro e pequenos empresários como prioridades para mandato de Deputado Federal

Incansável. Apesar de muitos talentos, a capacidade de se engajar em diferentes projetos por longos períodos, se dedicar a família e aos amigos, tudo sem se queixar da falta de tempo para descansar, é a característica que mais se destaca no candidato a Deputado Federal Juliano da Campestre. E é essa característica que explica sua trajetória bem-sucedida. “Nada caiu do céu, não nasci em berço de ouro, apesar de não ter nada contra quem nasce – trabalho para que meus filhos tenham mais e melhores oportunidades do que eu tive. O fato é que comecei a trabalhar cedo e a estudar muito para alcançar meus objetivos, que no começo eram trabalhar com comunicação e com o agro. Hoje tenho uma rádio que fala com centenas de milhares de pessoas, de 40 cidades da nossa região. Tenho 42 anos e sou pai de três filhos. Dá pra imaginar o tanto que eu trabalhei, né?”. 

Com tanto trabalho, Juliano estabeleceu uma rádio muito popular entre trabalhadores. “Eu ouço os meus ouvintes! São pessoas como eu. Se você me perguntar: ‘Juliano, qual é a sua ideologia?’ Eu vou te dizer que não me identifico nada com aquele pessoal bacana das novelas, da Vila Madalena de São Paulo, ou o pessoal da zona sul do Rio, aquela turma do Leblon, que ouve MPB, entende tudo de cinema nacional e de vez em quando viaja pra Paris. Eu sou muito simples. Meus valores são simples. Sou temente a Deus, valorizo a família, o trabalho e o que é da minha terra. Não é à toa que a rádio é Campestre. Podem chamar de brega, mas é o que a gente ouve. Isso é cultura, mas acaba se refletindo na política”, ponderou Juliano.

Como Deputado Federal, porém, Juliano pretende priorizar a realidade material e as necessidades concretas dos eleitores que representa. O candidato entende que o Brasil vive uma crise grave e que os trabalhadores da ponta precisam de atenção do Estado para terem de volta o que perderam com a pandemia. “A economia é o primordial nesse momento. Não vou compactuar com políticas de arrocho salarial, nem nada que implique mais dificuldades para uma parcela já tão sofrida da população, como os pequenos produtores, os trabalhadores braçais, os comerciantes de bairro, e tantos outros”, afirmou.

Lembrando que compete aos Deputados Federais fazer as leis e inclusive mudar a constituição por meio das PECs, Juliano crava que vai defender uma política para a atuação dos bancos públicos, como o BNDES, que beneficie os microempreendedores (MEIs), pequenas empresas, trabalhadores por conta própria e informais, por meio de crédito facilitado e com juros baixos. Também vai trabalhar por uma política de Valorização do Salário-Mínimo, com reajustes reais acima da inflação todos os anos. 

Outro ponto importante da sua atuação vai ser em relação às dívidas. Juliano propõe anistia das dívidas dos microempreendedores individuais (MEIs) e renegociação ampla das dívidas dos microempresários cadastrados no SIMPLES, com anistia dos juros e multas; além de prazos de carência, taxas de juros menores e parcelamentos amplos para as dívidas das famílias.

“Digno é o trabalhador do seu salário. Queremos mais empregos e empregos mais bem remunerados para os trabalhadores brasileiros, do Estado de São Paulo e da nossa região, em especial. E aquilo que come o salário do trabalhador, como os pedágios, serão tratados por mim como inimigos. Quanto a isto estou muito convicto. Não tem conversa. Esse é o meu compromisso”, concluiu.

 

Por fim, leia mais O Mariliense