Marrocos derruba favoritismo da Bélgica e Costa Rica ganha fôlego sobre o Japão

O Estádio Al Thumama, em Doha, foi palco de mais uma zebra na Copa do Mundo do Catar. Neste domingo (27), a seleção de Marrocos derrotou por 2 a 0 a Bélgica, segunda colocada do ranking da Fifa , pelo Grupo F da competição.

O resultado levou, provisoriamente, os Leões do Atlas à liderança da chave, com quatro pontos. Na estreia, a equipe africana teve outra boa atuação e foi superior, apesar do empate sem gols com a Croácia. Os Diabos Vermelhos, com a derrota, seguem com os três pontos do suado triunfo por 1 a 0 sobre o Canadá. Croatas e canadenses, inclusive, jogam às 13h (horário de Brasília) deste sábado, no Estádio Internacional Khalifa, também em Doha.

O torcedor marroquino não sabia o que era comemorar uma vitória em Copa do Mundo desde 1998, na França, quando a equipe venceu a Escócia por 3 a 0. O belga, por outro lado, não somente teve frustrada a expectativa de sair de campo classificado às oitavas de final, como viu acabar uma sequência de oito triunfos em fases de grupo do Mundial, um recorde que só havia sido atingido duas vezes na história, ambos com o Brasil, entre 1986 e 1994 e de 2002 a 2010.

Os jogos da última rodada do Grupo F serão na quinta-feira (1º), às 12h. A Bélgica tentará a reabilitação contra a Croácia, no Estádio Ahmad bin Ali, em Al Rayyan, enquanto Marrocos pega o Canadá, novamente no Al Thumama.

Ataque da Bélgica não assusta

O grau de satisfação dos treinadores com o que viram na primeira rodada ficou evidente nas escalações. De um lado, Walid Regragui, de Marrocos, mandou a campo quase o mesmo time que enfrentou a Croácia. A única alteração foi no gol – e de última hora. Apesar de Yassine Bounou ter alinhado com os companheiros para cantar o hino nacional, quem iniciou a partida foi Munir El Kajoui. A federação marroquina apenas informou a mudança do titular, sem maiores detalhes.

Na Bélgica, Roberto Martínez efetuou três trocas na equipe que venceu o Canadá. O zagueiro Leander Dendoncker, o volante Youri Tielmans e o meia Yannick Carrasco saíram para entradas, respectivamente, de Thomas Meunier (que atuou na lateral, com Timothy Castagne na zaga), Amadou Onana e Thorgan Hazard. A novidade dos Diabos Vermelhos foi a presença, no banco de reservas, do atacante Romelu Lukaku, que vinha tratando uma lesão na coxa esquerda e, a princípio, estava descartado para o jogo deste domingo.

Diferentemente do jogo anterior, em que foi pressionada, a Bélgica tomou a iniciativa. Aos quatro minutos, Michy Batshuayi recebeu do também atacante Thorgan Hazard na área, pela esquerda, às costas da marcação. O chute, frente a frente com Munir, explodiu no goleiro. Ao longo do primeiro tempo, porém, os europeus não transformaram volume e posse de bola (61%) em mais oportunidades claras.

Courtios falha e Marrocos decide

Marcando forte e saindo no contra-ataque com velocidade, Marrocos foi, gradualmente, aproximando-se da área belga, mas só conseguiu assustar, de fato, na bola parada. Aos 45 minutos, o meia Hakim Ziyech cobrou falta fechada pela direita. Com muita gente à frente, Thibaut Courtois falhou e deixando a bola entrar, após ser alçada na área. O que seria o primeiro gol da partida, porém, foi anulado porque o zagueiro Romain Saïss, impedido em relação à marcação, teria atrapalhado o goleiro da seleção europeia no lance.

Os Leões do Atlas retornaram do intervalo mais ofensivos e a partida no Al Thumama ficou mais franca. Aos seis minutos, Eden Hazard finalizou da entrada da área e obrigou Munir a trabalhar, espalmando para o lado. A resposta veio aos 11, em batida cruzada de Sofiane Boufal, pela esquerda, na área, que saiu rente à trave esquerda belga. Aos 20 minutos, nova defesa do goleiro marroquino, agora do também atacante Dries Mertens, que passou entre três marcadores e arriscou da meia-lua, no meio do gol.

A bola parada, porém, é que foi decisiva. Aos 27 minutos, em lance semelhante ao primeiro tempo, o meia Abdelhamid Sabiri bateu falta na área pela esquerda, próximo à linha de fundo. Mais uma vez, Courtois não segurou a cobrança, que foi direto para o gol. A partir daí, a Bélgica se lançou à frente, colocando, inclusive Lukaku para brigar no jogo aéreo, sem êxito. Nos acréscimos, deu tempo para Ziyech avançar pela direita e cruzar, na medida, para o atacante Zakaria Aboukhlal concluir e dar números finais à partida.

Costa Rica segura pressão, vence Japão e renasce na Copa do Catar

Atropelada por 7 a 0 pela Espanha na primeira rodada, a Costa Rica ganhou sobrevida na Copa do Mundo do Catar. Neste domingo (27), no Estádio Ahmad bin Ali, em Al Rayyan, os Ticos fizeram 1 a 0 no Japão, que vinha de uma vitória história por 2 a 1 sobre a tetracampeã mundial Alemanha. 

As duas seleções somam três pontos no Grupo E, assim como a Espanha, que lidera a chave pelo saldo de gols. Pelo mesmo critério, os Samurais Azuis ficam na segunda colocação, à frente da equipe centro-americana. Ainda neste sábado, às 16h (horário de Brasília), espanhóis e alemães (que estão zerados) se enfrentam no Estádio Al Bayt, em Al Khor. 

Com chances de classificação, as duas equipes encerram a participação na fase de grupos na quinta-feira (1º), às 16h. O Japão encara a Espanha no Estádio Internacional Khalifa, em Doha, enquanto a Costa Rica terá a Alemanha pela frente, no Al Bayt. 

Primeiro tempo sonolento 

A máxima de quem “em time que ganha, não se mexe” não valeu para Hajime Moriyasu. O técnico japonês efetuou cinco alterações em relação à formação que começou o jogo diante da Alemanha, sendo que quatro dos jogadores que entraram no time não atuaram na primeira rodada. O lateral Miki Yamane, o volante Hidemasa Morita, o meia Yuki Soma e o atacante Ayase Ueda substituíram, respectivamente, Hiroki Sakai, Ao Tanaka, Junya Ito e Daizen Maeda. Autor de um dos gols na rodada anterior, Ritsu Doan também foi titular neste sábado, na vaga do também Takefusa Kubo. 

Na Costa Rica, curiosamente, o técnico Luís Fernando Suárez fez só duas trocas na equipe goleada pela Espanha. O lateral Kendall Watson e o meia Gerson Torres entraram nos lugares de Carlos Martínez e Jewison Bennette. 

A primeira etapa foi sonolenta. Apesar de bastante modificado, o Japão comandou as ações ofensivas, buscando, principalmente os lados do campo, mas com dificuldades no último passe. O lance mais perigoso foi um cruzamento rasteiro de Doan, pela direita da área, que ninguém apareceu para concluir. A Costa Rica se concentrou em marcar o ímpeto nipônico e ensaiou poucas subidas ao ataque. Em uma delas, Anthony Contreras pegou a sobra de uma bola cortada pela zaga e rolou para o também atacante Joel Campbell bater de três dedos, da entrada da área, por cima da meta. 

Ticos punem erros japoneses 

O segundo tempo precisou de somente um minuto para ser diferente, com Takuma Asano, autor do gol da vitória sobre a Alemanha, entrando no lugar de Ueda. No primeiro toque na bola, de calcanhar, o atacante deixou Morita livre na área para finalizar, para defesa do goleiro Keylor Navas. Aos 11, foi a vez de Soma assustar, costurando a marcação na esquerda, entrando na área e chutando cruzado, sem direção, à esquerda da meta. 

Os japoneses foram gradualmente se lançando mais ao ataque, com as entradas do meia ofensivo Kaoru Mitoma e do atacante Junya Ito, encurralando os costarriquenhos e os obrigando a estacionar duas linhas de quatro no último terço do campo. A equipe asiática, porém, errou muito na tomada de decisão e acabou punida. Aos 35 minutos, a zaga nipônica afastou mal o lançamento que veio da defesa e a bola sobrou com o volante Yeltsin Tejeda, na entrada da área. Ele rolou para o meia Keysher Fuller, que bateu colocado e colocou os Ticos à frente. 

Na reta final da partida, o Japão girou a bola em busca de espaços para, ao menos, buscar o empate em Al Rayyan. Na melhor oportunidade, aos 42 minutos, Mitoma fez fila pela esquerda e cruzou rasteiro. Em meio ao bate-rebate, Navas salvou a Costa Rica no reflexo e manteve a equipe viva na Copa do Catar.

 

Informações: Agencia Brasil

Por fim, leia mais O Mariliense