Copa: Camarões e Sérvia fazem jogo eletrizante; Gana suporta pressão e derrota Coreia do Sul

A Copa do Catar teve, nesta segunda (28), sua partida mais emocionante até agora. Em duelo de reviravoltas, Camarões e Sérvia empataram por 3 a 3 no Estádio Al-Janoub, em Al-Wakrah. Embora tenham proporcionado um belo espetáculo, as duas seleções respiram por aparelhos no grupo G e precisarão vencer na última rodada para conseguir avançar às oitavas de final do Mundial. Ambas somaram seu primeiro ponto na competição, enquanto Brasil e Suíça (que se enfrentam ainda hoje) já têm três.

Antes mesmo de a bola rolar, uma surpresa: o goleiro André Onana, um dos principais nomes de Camarões, não estava relacionado para a partida. Segundo informações da imprensa do país, o jogador, que defende a Inter de Milão e foi titular na estreia diante da Suíça, teria sido expulso da delegação por divergências com o técnico Rigobert Song. Até o momento, não há posicionamento oficial da federação camaronesa. Epassy assumiu o posto de goleiro titular contra os sérvios.

O começo da partida foi de dificuldades para a defesa da equipe africana. Aos nove minutos, Mitrovic recebeu dentro da área, cortou para o meio e chutou na trave. Pouco depois, os zagueiros camaroneses se atrapalharam e a bola sobrou limpa para o centroavante sérvio, de cara para o gol. No entanto, o chute forte do camisa 9 foi para fora.

Pouco a pouco, Camarões se encontrou na partida, com boas investidas pelo lado direito, principalmente com Kunde. A evolução do time acabou premiada aos 28 minutos. Em cobrança de escanteio pela esquerda, N’Koulou desviou de cabeça na primeira trave e Castelletto apareceu sozinho, sem marcação, para completar para o gol sem dificuldades.

Mais à vontade depois de abrir o placar, a seleção africana seguiu explorando bastante o lado direito e quase ampliou com Kunde, aos 42. Porém, pouco depois, a partida teve a sua primeira reviravolta.

Virada relâmpago da Sérvia

Como tem sido costume nesta Copa, os acréscimos foram generosos na primeira etapa. Os seis minutos adicionados foram suficientes para a Sérvia alterar o panorama da partida antes do intervalo. Aos 46, em cobrança de falta na área, Pavlovic testou com firmeza para empatar.

Dois minutos depois, em jogada trabalhada na entrada da área, Sergej Milinkovic-Savic finalizou de esquerda e venceu Epassy, que não conseguiu segurar o chute rasteiro do adversário.

A Sérvia ainda poderia ter ampliado, mas o chute de Mitrovic, em contra-ataque em que a seleção europeia tinha vantagem numérica no campo de ataque, desviou na zaga e tirou tinta da trave esquerda defendida por Camarões.

Camarões arranca empate 

Na volta do vestiário, o roteiro do fim do primeiro tempo parecia estar apenas tendo continuidade. Aos sete minutos, a Sérvia ampliou a vantagem no placar em uma bela jogada coletiva. Após a roubada de bola no meio do campo, Mitrovic avançou, a bola passou por outros três companheiros, desmontando a defesa camaronesa, até o atacante receber de volta, já na pequena área, para marcar o terceiro gol dos sérvios.

No entanto, dois minutos depois, começava a segunda reviravolta do duelo, com uma substituição chave do técnico Song, de Camarões. A derrota significava a eliminação precoce para a seleção africana, o que motivou o comandante a trocar o volante Hongla pelo atacante Aboubakar.

O efeito não demorou para se manifestar. Depois de belas jogadas individuais, aos 17, Aboubakar diminuiu a desvantagem em um dos gols mais bonitos da Copa até agora. Ele recebeu nas costas da defesa sérvia, pela direita, deu um corte no zagueiro e encobriu o goleiro Vanja Milinkovic-Savic. No momento, ele não chegou a comemorar, porque inicialmente a jogada foi anulada pelo bandeirinha, mas posteriormente o VAR confirmou o gol.

Na jogada seguinte veio o empate. Aboubakar foi novamente lançado no limite do impedimento, pela direita, mas desta vez avançou e encontrou Choupo-Moting livre na área para empatar. 

Daí em diante, os dois times tiveram chances de vencer, mas já exaustos pela energia gasta em duas reviravoltas numa partida disputada às 13h no horário local, diminuíram o ritmo, sem alterar o placar.

Na última rodada do grupo G, Camarões e Sérvia só têm uma opção: vencer. Qualquer outro resultado representa a eliminação ainda na fase de grupos. O último compromisso de ambos será na sexta (2), às 16h (horário de Brasília): a Sérvia encara a Suíça no Estádio 974, enquanto a seleção camaronesa tem pela frente o Brasil, no Lusail.

Gana sofre, mas derrota Coreia do Sul por 3 a 2 pelo Grupo H da Copa

Em mais um duelo eletrizante na manhã desta segunda (28), Gana bateu a Coreia do Sul por 3 a 2 e se recuperou da derrota – pelo mesmo placar – para Portugal na estreia, somando seus primeiros pontos no grupo H da Copa do Mundo do Catar. A seleção africana conseguiu suportar um segundo tempo de intensa pressão sul-coreana, que resultou em uma reação fulminante para empatar a partida em 2 a 2 e quase culminou em outra igualdade nos minutos finais. Agora, os ganeses chegam à última rodada com boas chances de classificação. Vale lembrar que saem do grupo H os adversários do Brasil (Grupo G) nas oitavas de final.

O duelo no Estádio Cidade da Educação começou com a seleção da Coreia do Sul mais ativa, procurando mais o jogo e tendo a posse de bola. No entanto, a falta de maior objetividade criou uma brecha para Gana explorar uma virtude: as jogadas aéreas. 

Aos 24 minutos, o placar foi aberto desta forma. Após cobrança de falta na área, a zaga não conseguiu afastar o perigo e a bola sobrou para Salisu completar para as redes. O lance foi checado brevemente pelo VAR e validado. 

Dez minutos depois, veio o segundo. Jordan Ayew levantou bola na área e encontrou Kudus sem marcação. Ele desviou de leve com a cabeça e marcou.

Reação da Coreia e pressão até o fim

No segundo tempo, a seleção asiática, comandada pelo português Paulo Bento, que já foi técnico do Cruzeiro, partiu com tudo para o empate. O grande nome da equipe, o atacante Son Heung-Min, não estava em um dia dos mais inspirados. Coube ao companheiro de ataque dele a missão de ser o protagonista da reação sul-coreana. Em duas jogadas quase em sequência, o empate veio não dos pés, mas da cabeça de Cho Gue-Sung.

Aos 13, ele se antecipou à zaga, se abaixou e foi ao encontro da bola cruzada na área para diminuir a vantagem construída por Gana. Aos 15, veio o empate: nova bola levantada na área e dessa vez ele voou para chegar primeiro na bola e cabecear para o gol.

Com o momento favorável, os asiáticos tentaram manter o ritmo. Porém, não contavam que em um lance cirúrgico os adversários acabariam por definir o placar. Aos 22, Mensah foi acionado pela esquerda e cruzou rasteiro. Iñaki Williams furou, mas Kudus estava atento e pegou de primeira para acertar o contra-pé do goleiro Kim Seung-Gyu, que ainda tocou na bola antes de ela entrar.

Daí em diante, o que se viu foi o clássico ataque-contra-defesa. A Coreia do Sul intensificou a pressão e o goleiro Zigi evitou um novo empate. Aos 29, a falta cobrada por Lee Kang-In tinha endereço certo, mas o camisa 1 foi buscar a bola no canto esquerdo inferior. No minuto seguinte, o chute de Kim Jin-Su já dentro da área passou por ele, mas a zaga salvou em cima da linha. Aos 48, Zigi brilhou de novo em chute forte de Cho Gue-Sung no ângulo direito. 

Com os dez minutos acrescentados ao tempo regulamentar, a Coreia do Sul adotou a tática dos cruzamentos para a área ganesa e praticamente não deixou o adversário respirar. No entanto, na reta final não conseguiu mais finalizar de fato e Gana pôde enfim sentir o alívio da vitória com o apito derradeiro.

Agora, a seleção africana tem outro duelo complicado. Encara o Uruguai na sexta (2), no Estádio Al-Janoub, ao meio-dia (horário de Brasília), em uma reedição da histórica partida das quartas de final da Copa do Mundo de 2010. No mesmo dia e horário, a Coreia do Sul, novamente no Estádio Cidade da Educação, mede forças com Portugal. Todos os times da chave chegarão à última rodada com chance de classificação.

 

Informações: Agencia Brasil

Por fim, leia mais O Mariliense