Individualismo da seleção brasileira  é o grande adversário a ser vencido

Uma vitória incontestável sobre a Coreia do Sul por 4 a 1 na fase oitavas de final da Copa do Mundo e que garantiu a vaga do Brasil para enfrentar a Croácia nesta sexta-feira (9), às 12h (de Brasília), podendo garantir aos comandados de Tite a vaga na fase semifinal.

Um detalhe que talvez tenha passado despercebido pela maioria dos torcedores brasileiros pode ser um entrave na busca pelo hexa mundial: o individualismo de alguns jogadores da seleção brasileira.

Após um primeiro tempo praticamente perfeito, quando o Brasil abriu 4 a 0 sobre os sul-coreanos, a etapa final mostrou uma equipe mais preocupada em administrar a enorme vantagem, o que é absolutamente compreensível, mas trouxe uma preocupação e que precisa ser detectada pelo técnico Tite: o individualismo dos atacantes Richarlyson e Rafinha.

O primeiro parece estar mais preocupado em ser o artilheiro da Copa, enquanto deveria sim focar na conquista do título, independente de quem faça os gols. Já o segundo, que ainda não marcou nesse Mundial, parece querer fazer o gol a qualquer preço, deixando de “servir” companheiros melhores colocados, o que também aconteceu com o camisa 9 em alguns lances do segundo tempo diante da Coreia.

Tomara que a comissão técnica chame esses jogadores no “cantão”, como se diz na gíria do futebol, e faça-os entender que ser campeão da Copa do Mundo supera qualquer conquista individual. No mais, a seleção está no caminho certo. Basta que apenas arestas sejam aparadas e que nenhum pensamento individualista possa tirar o Brasil do foco principal, que é a conquista do hexa.

 

Por fim, leia mais O Mariliense