A vice-Presidente da Argentina, Cristina Kirchner, foi condenada nesta terça-feira (6) a seis anos de prisão por fraude e corrupção durante os seus mandatos presidenciais, entre 2007 e 2015.

Ela também foi banida para sempre do exercício de cargos públicos.

Cristina Kirchner, de 69 anos, foi considerada culpada de “gestão fraudulenta” em prejuízo do Estado.

A ex-presidente da Argentina foi condenada no âmbito de um processo relativo à adjudicação de empreitadas públicas no seu reduto político de Santa Cruz, durante os seus dois mandatos como presidente, noticiou a agência France-Presse (AFP).

O Ministério Público da Argentina tinha exigido 12 anos de prisão para Kirchner, que sempre negou qualquer irregularidade e denunciou ter sido alvo de um julgamento “político”.