Secretaria de Assistência Social realiza Projeto de “Combate ao Bulling”

A Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social, por meio do CRAS Rosa Modelli, realizou recentemente um Projeto de Combate ao Bulling naquele local.

O bulling é a forma de violência que está mais presente no dia a dia da vida estudantil. Esse fator é visto como um mal aparentemente invisível que, em geral, só é identificado quando se está atento aos seus sinais. Trata-se de um tema crescente, porém ainda pouco explorado.

O projeto de “Combate ao Bulling” surgiu da demanda trazida pelas crianças que frequentam o SCFV (Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos) do CRAS (Centro de Referência de Assistência Social) Rosa Modelli e que estavam sofrendo com a problemática do bulling na escola. 

O tema começou a ser desenvolvido a partir do mês de maio durante as atividades socioeducativas. 

A partir dos relatos apresentados, no mês de junho, iniciou-se a escrita do livro intitulado “O Adeus ao Monstro Bull” em que os usuários do serviço contribuíram tanto com a história, como com as ilustrações. 

O livro narra a história de Bull um monstro que resolveu sair de seu planeta para fazer maldades pelo planeta Terra. Todavia, ele não imaginava que ali, no planeta Terra, havia uma turma de super-heróis, a Liga da Bondade, que o impediria de realizar seu intento! E agora? O que aconteceu com Bull?

Cada criança usuária do SCFV ganhou um exemplar do livro e a EMEF (Escola Municipal de Ensino Fundamental) “Prof. Antônio Moral” foi presenteada com três exemplares.

Houve noite de autógrafos realizada no dia 23 de novembro, oportunidade em os jovens receberam depoimentos da Secretaria de Assistência, da diretora e das professoras da escola em que estudam.

A gestora da SADS, Wania Lombardi, ressaltou que o resultado do trabalho foi muito além do esperado. Segundo ela “crianças e adolescentes que passam por humilhações podem apresentar doenças psicossomáticas e sofrer traumas de diversas espécies. Em alguns casos extremos, o bulling chega a afetar o estado emocional do jovem de tal maneira que ele opte por soluções trágicas, como o suicídio”.

“A prática do bulling tem se tornado algo corriqueiro nos espaços educacionais, provocando cada vez mais atitudes violentas, tantos dos agressores, como das vítimas. Por isso, discutir as questões ligadas ao bulling e compartilhar a informação com a escola é essencial”, afirmou a secretária.

 

Por fim, leia mais O Mariliense