Pompeia supera entraves do passado e prepara a entrega de moradias populares no JD Primavera

Após anos de muito trabalho, a prefeita Tina Escorce anunciou em dezembro de 2021 a assinatura de um convênio com a Secretaria da Habitação do Estado de São Paulo para dar fim a um dos problemas herdados de administração anterior que mais vinha gerando apreensão e sofrimento à população. Desde o início de sua gestão a prefeita buscava a retomada das obras de 40 casas populares no Jardim Primavera, bairro da zona Oeste da cidade, com cobranças direcionadas ao Governo Federal e à Cobansa, antiga financeira responsável pela obra, inicialmente contratada por meio do extinto programa Minha Casa, Minha Vida.

A obra havia sido abandonada em 2015 pelo governo anterior, que não providenciou a pavimentação e a infraestrutura básica para o loteamento, e pela construtora, que alegou recursos defasados pelo atraso no início das obras, deixando casas inacabadas e muitas sem sequer terem sido iniciadas.

Impedida por lei de tomar para si a responsabilidade de gerir os recursos federais e dar andamento à obra, a atual administração municipal cumpriu sua parte, realizando todos os investimentos de infraestrutura necessários, incluindo sistema de abastecimento de água e de saneamento e asfalto. Enquanto isso, diversas audiências e cobranças jurídicas eram realizadas para que a obra fosse retomada, até que a solução foi encontrada em uma reunião no Palácio dos Bandeirantes com o então diretor de atendimento habitacional da CDHU Marcelo Hercolin e o diretor técnico Aguinaldo Quintana.

Na ocasião o cronograma previsto pela Secretaria dava conta de que a abertura da licitação pelo Governo do Estado para contratação da construtora ocorreria em janeiro e as obras nos moldes da CDHU provavelmente teriam início entre março e abril de 2022.

O cronograma foi seguido e no início deste ano a empresa ECG já estava contratada para a obra. Em fevereiro, a prefeita Tina reuniu os beneficiários das moradias populares para compartilhar um pouco da emoção da conquista que considera uma das mais importantes do seu governo e destacar pontos importantes do projeto, como o fato de que nenhuma das famílias que esperaram tanto por essas casas, devido aos atrasos e abandono dos antigos governos federal e municipal, vai precisar pagar pelas residências.

“Hoje olhando cada um de vocês, eu me lembro da época em que morava em uma casa de madeira. Até os 8 anos de idade o meu maior sonho era por forro na casa, não era nem ter a casa.  O Primavera vai ficar muito lindo, assim que acabar a construção a gente quer urbanizar, deixar aquele local bem mais agradável para todos vocês. Já começamos a melhorar com o parquinho, um pouco mais de iluminação, mas queremos fazer muito mais. Sobre a empreiteira que ganhou a licitação do Governo do Estado para realizar a obra, a construtora ECG, eu ouvi muitos elogios lá na CDHU. Para vocês terem uma ideia, de 60 cidades, a primeira ordem de serviço para uma obra desse tipo foi para Pompeia, e isso é motivo de orgulho e satisfação. Eu assinei faz 10 dias e a construtora já está aqui hoje. Ressalto que vocês não terão prestação para pagar da casa, será totalmente isento. Também vamos providenciar as documentações e as casas serão padrão CDHU, com muita qualidade”, disse a chefe do Executivo Municipal, à época.

Em maio as obras tiveram início, e além de muitas edificações partindo do zero, algumas reformas precisaram ser realizadas. De acordo com o projeto, as casas reformadas receberam a troca dos telhados, com estrutura metálica e cobertura com telha de barro, troca e instalação dos pisos cerâmicos, revestimento em azulejo no banheiro e na parede onde passam os canos da cozinha, instalação hidráulica e elétrica, troca das portas e janelas, além da pintura interna e externa padronizada.

O governo municipal investe na região do conjunto habitacional, que já conta com dois playgrounds com brinquedos modernos e seguros e teve sua quadra poliesportiva revitalizada. Atualmente as obras já se encontram em fase final de pintura. O conjunto da documentação das matrículas individuais de cada casa já foi enviado para o cartório e em breve ocorrerá a vistoria da CDHU e a ligação da energia elétrica pela CPFL – duas últimas etapas antes da cerimônia de entrega das moradias.

“Estamos muito felizes por termos conseguido a solução para esse problema antigo, que se arrastava desde 2012, por um impasse entre a antiga administração municipal, o Governo Federal e a financeira Cobansa. Era uma das poucas coisas que não tínhamos conseguido resolver, porque não dependia de nós. Mas nunca faltou empenho. Fizemos muitas viagens, muitas reuniões, fomos a Brasília, a São Paulo, até que conseguimos. Encontramos diversas barreiras jurídicas pelo caminho, um problema complicado causado muito antes de sermos eleitos. Mas felizmente, hoje temos essa expectativa boa pela entrega dessas casas. O que era um sonho, o que nós tanto queríamos, agora é realidade. Em breve aquele local será visto com alegria e alívio, com sensação de dever cumprido”, concluiu a prefeita. 

 

Informações: PM Pompeia

Por fim, leia mais O Mariliense